Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 
Autora: Pinho, Roseli Oliveira de
Título: Crisotila como Suporte para Ácidos de Lewis na Catálise de Reações de Friedel-Crafts
Ano: 1994
Orientador: Prof. Dr. José Augusto Rosário Rodrigues
Departamento: Química Orgânica
Palavras-chave: --
Resumo: A alquilação catalítica do benzeno com cloreto de benzila foi estudada utilizando a crisotila como suporte para o ácido de Lewis. Dois métodos de imobilização foram empregados: a maceração, que consiste na trituração do ácido sobre o suporte, e a adsorção em solução orgânica. Entre os ácidos suportados em crisotila que foram analisados, o FeCI3, o CoCl2 e o ZnCI2 apresentaram boa atividade catalítica, proporcionando rendimentos na faixa de 60 a 80% de difenilmetano isolado, em 3 horas de reação. O rendimento máximo foi obtido com crisotila-ZnCl2 na razão de 0,3 g do ácido de Lewis por grama da crisotila, imobilizado por maceração. Análise por absorção atômica do meio reacional confirmou que não havia zinco em solução, o que significa que a maceração é um método viável de imobili - zação. Testes quanto ao efeito da temperatura de calcinação indicaram que entre 150 e 4000°C não há perda de atividade do catalisador crisotila - ZnCI2. Com a crisotila obtivemos rendimentos comparáveis aos obtidos com a montmorilonita. Na alquilação da acetilacetona com os cloretos de benzila e de cinamila, sob catálise do ZnCI2 suportado, foram obtidos ren-dimentos de 40% e 10%, respectivamente. Os rendimentos da acilação do anisol com cloreto de acetila não foram superiores a 36%, tanto na presen- ça da crisotila como da montmorilonita, tendo sido obtidos os isômeros para e orto-metoxiacetofenona na proporção de 7:3. Na utilização do ácido de Lewis suportado como catalisador para rearranjo de Fries do éster sorbato de fenila, foi obtido o ácido sórbico, um dos produtos de hidrólise do éster. Conclui-se que a água absorvida não foi completamente retirada durante o tratamento térmico, o que explicaria a hidrólise do éster.
Abstract: The catalytic alkylation of benzene with benzyl chrolide was studied using chrysotile as a support for Lewis acid. Two methods of immobilization were used: grinding the acid and the support together, and adsorption from an organic solution. Within the acids supported on chrysotile studied, FeCI3, CoCI2 and ZnCl2 have shown good catalytic activity, giving yelds with a rangeof 60 to 80% of isolated diphenylmethane, after 3 hours of reaction. The best yield was obtained with chrysotile-ZnCl2 in the proportion 0.3g Lewis acid per gram of chrysotile, imobilized by grinding. Atomic absorption analysis of the reactional mediurn confirms that there was no free zinc in solution, which suggests that the grinding is a reasonable method for immobilization. Studies on the effects of the temperature of calcination have shown that between 150 and 400°C there was no loss of activity of the catalyst chrysotile-ZnCl2. With chrysotile we have obtained similar yelds to those obtained with rnontmorillonite. On alkylation of acetylacetone with benzyl or cinnamyl choride, with supported ZnCI2 catalysis, we have obtained 40 and 10% yelds, respectively. Acylation of anisole with acetyl chloride gave less than 36% yeld, in the presence of either chrysotile or montmorillonite, giving para- and ortho- methoxyaceto - phenone in the proportion of 7:3. Using a supported Lewis acid as a catalyst for the Fries rearrangements of phenyl sorbate, sorbic acid, hydrolysis product of the ester was obtained. We conclude that the water of the catalyst was not entirely removed under thermal heating, giving hydrolysis of the initial ester product.
Arquivo (Texto Completo): vtls000082287.pdf ( tamanho: 1,90MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ