Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autor: Silva Filho, Eloi Alves da
Título: Estudo Termodinâmico da Interação de Tensoativos Iônicos com Tripsina
Ano: 1995
Orientador: Prof. Dr. Pedro Luiz Onófrio Volpe
Departamento: Físico-Química
Palavras-chave: -
Resumo: Um estudo sistemático da interação de tensoativos iônicos com Tripsina em solução tampão pH 3,5; 7,0 e 9,0 com força iônica 10 mM a 25 °C foi feito utilizando as técnicas do equilíbrio de diálise e titulação microcalorimétrica. Neste estudo foi utilizado soluções de tensoativos aniônicos da série dos n-alquilsulfato de sódio (C8, C10, C12 e C14) e alguns tensoativos catiônicos como o cloreto de hexadecilpiridinio (CPC) e brometo de dodeciltrimetilamônio (DTAB). As isotermas de interação obtidas utilizando a técnica do equilíbrio de diálise foram tratadas de acordo com o modelo teorico de Wyman que permitiu calcular os valores da variação da energia livre de interação Tripsina-Tensoativo (DGv°). Os resultados mostraram que o valor de DGv° foi na faixa de - 0,1 a - 9,0 kJ.mol para os tensoativos n-alquilsulfato. Para os tensoativos CPC e DTAB observamos que DGv° foi na faixa de -0,1 a-11,0kJ.mol. A variação da entalpia de interação (DintH°) obtida por titulação microcalorimétrica mostrou que a interação dos tensoa tivos n-alquilsulfato de sódio (C8, C10, C12 e C14) com Tripsina no pH 3,5 é um processo endotérmiico com o valor de Dintdiminuindo linearmente com o aumento da cadeia carbônica do tensoativo. No pH 7,0 observamos a mesma tendência com exceção do C14. No pH 9,0 a partir do C10 a entalpia de interação não variou com o aumento da hidrofobicidade do tensoativo. Para os tensoativos catiônicos observamos um processo de interação praticamente atérmico para o DTAB e para o CPC um processo endotérmico. O modelo de distribuição livre foi também utilizado como método de cálculo do número de sitios de interação Tripsina- Tensoativo utilizando baixa concentração do tensoativo livre.
Abstract: A systematic study of the interactions of ionic surfactants with Trypsin in buffer solution pH 3.5, 7.0, 9.0, ionic strength 10 mM at 25 °C was done using the dialysis equilibrium and microcalorimetric titration techniques. ln this study it was used anionic surfactants solutions of the sodium n-alkyl sulfates series (C8, C10, C12 e C14) and two cationic surfactants, hexadecylpiridinium chloridc (CPC) and doctecyltrimethylammonium bromide (DTAB). The obtained isotherms of interaction by using the dialysis equilibrium technique were treated according to the Wyman' s theoretical model that allowed to calculate the free energy of interaction of Trypsin-Surfactant (DGv°). The results show that the values of DGv° are in the range of -0.1 to - 9.0 kJ.mol for the surfactants sodium n-alkyl sulfates. For the surfactants CPC and DTAB we observed that DGv°are in the range of -0.1 to -11.0 kJ.mol. The enthalpy of interaction (DintH°) obtained through microcalorimetric titration shows that the interaction of the surfactant sodium n-alkyl sulfates (C8, C10, C12 e C14) with Trypsin in the pH 3.5 is an endothermic process with the value of Dintdecreasing linearly with the increasing of the carbonic chain lenght. In the pH 7.0 we observed the same trend except for C14. In the pH 9.0, from C10 the enthalpy of interaction didn't change with the increasing of the carbonic chain length. For the cationic surfactants we observed an athermic process for the interaction of DTAB and endothermic for CPC. The distribution-free model has also been used as a method to calculate the number of sites of interaction Trypsin-Surfactant using low concentration of free surfactant.
Arquivo (Texto Completo): vtls000087483.pdf ( tamanho: 2,21MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ