Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autora: Foglio, Mary Ann
Título: Um Estudo Químico da Artemisia annua L. Aclimatada no Brasil
Ano: 1996
Orientadora: Profa. Dra. Anita Jocelyne Marsaioli
Departamento: Química Orgânica
Palavras-chave: Artemisia annua L., Artemisinina, Ácido artemisinínico, Qinghaosu
Resumo: Artemisia annua L. é uma Asteracea oriunda da Ásia conhecida pela produção de artemisinina 13, um potente antimalárico. Por ser uma espécie de grande interesse elegemos como tema desta tese estudar vários aspectos da variedade aclimatada no Brasil. Os metabólitos secundários não voláteis 12, 21, 22, 30 foram isolados por métodos cromatográficos convencionais os quais apresentam o sistema bicíclico [4.4.0] decano cis. Estes compostos apresentam tendências conformacionais que variam de acordo com o tipo de substituinte que possuem. Assim nós nos propusemos a fazer um estudo espectroscópico sistemático destes amorfanos naturais e preparamos alguns padrões 112, 113, 114 contendo o sistema bicíclico [4.4.0] decano cis para também serem caracterizados. A análise dos espectros de uma e duas dimensões de correlação homo e heteronuclear permitiram uma atribuição precisa dos átomos de carbono e hidrogênio além de indicarem a tendência conformacional destes compostos. A composição dos constituintes voláteis encontrados no óleo essencial da planta aclimatada no Brasil foram estudados por GC/MS (HP 5890/ HP 5970). A utilização dos dados de índices de retenção e espectros de massas aliado a co-injeção de padrões permitiu determinar quarenta e nove componentes no óleo essencial. Um dos compostos determinados 125 revelou ser um esqueleto inédito não descrito anteriormente em plantas. Também foi abordado o estudo comparativo do perfil cromatográfico do óleo essencial da Artemisia annua L. cultivadas no Brasil comparado a óleos de Artemisia annua L. de outras procedências. Um acompanhamento sazonal da Artemisia annua L. possibilitou observar a variação dos teores dos principais componentes encontrados na planta verificando a o comportamento da artemisinina 13 em relação à produção do óleo essencial. Foi avaliada a viabilidade econômica de produção da artemisinina 13 utilizando diversos materiais no seu processo de obtenção. Dessa forma consegui-se obter o princípio ativo 13 num custo global de 11 dólares e 50 centavos por grama de artemisinina 13.
Abstract: The Asteracea Artemisia annua L. native of the Asian continent is well known for the production of a potent antimalarial compound, artemisinine 13. The purpose of this work was to study some chemical aspects of the plant adapted to Brazilian climate. The total hydrogen and carbon-13 NMR assigment of compounds 12, 21, 22 and 30 isolated from Artemisia annua L. as well as that of compounds 112, 113 and 114, obtained through chemical transformations,.are reported. The conformations and conformational equilibria of these compounds in solution which possess a cis-decalin moiety were obtained from spectral data and molecular mechanics calculations. The identification of the essential oil of the plant cultivated in Brazil was studied using GC/MS (HP 5890/HP 5970). Forty nine constituents were determined by association of retention time data and co-injection of authentic standards. Compound 125 is a new carbon skeleton not published up to this date. Comparison of the gas chromatography profile of the Artemisia annua L. essential oil produced in Brazil with those of other origins revealed significant variation of their constituinets. The seasonal behavior of artemisinine 13 content versus essential oil production was observed during one harvest period. The economical viability of several purification methologies for artemisinine production were tested. In this work we produced the antimalarial compound 13 at a total cost of US$ 11,5 per gram.
Arquivo (Texto Completo): vtls000107936.pdf ( tamanho: 3,61MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ