Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autor: Rettori, Daniel
Título: Estudos Físico-Químicos e Biológicos da Violaceína: Um Pigmento Produzido pela Chromobacterium violaceum
Ano: 2000
Orientador: Prof. Dr. Nelson Eduardo Durán Caballero
Departamento: Físico-Química
Palavras-chave: Fotofísica, Violaceína, Antioxidante
Resumo: Neste trabalho foram estudadas propriedades fisico-químicas e biológicas de um pigmento bacteriano. O composto, denominado violaceína, possui massa molar de 343,34 g mol e é produzido pela bactéria Chromobacterium violaceum. Fermentações realizadas com a C. violaceum mostraram que a produção de violaceína é maior na presença de uma concentração mais elevada de O2. A adição de catalase, no início da fase exponencial de crescimento, induz a uma queda na produção do pigmento. Estes resultados indicam que a violaceína poderia ser uma molécula produzida pela célula com a "finalidade" de protegê-la do estresse oxidativo (i e., o pigmento seria um antioxidante). Experimentos de RPE (ressonância paramagnética eletrônica) do pigmento puro no estado sólido mostraram que o primeiro estado excitado triplete encontra-se 0,71 kcal mol acima do estado fundamental singlete. Este valor muito baixo -para o dirradical no estado excitado - indica que o pigmento possui uma forma radicalar estável. Desta forma, este resultado corrobora a hipótese da violaceína ser um antioxidante. Por último, foram realizados estudos de absorção e emissão eletrônica da violaceína. Em solução, ela apresenta duas bandas de fluorescência. A fluorescência normal foi atribuída à transição S1S0 e, a anômala, a um exciplexo formado entre a violaceína e o solvente.
Abstract: In this work we studied physico-chemical and biological properties of a bacterial pigment. The compound, named violacein, has a molar mass of 343.34 g mol and is produced by Chromobacterium violaceum. Fermentations done with C. violaceum showed that the production of violacein is increased in the presence of a higher concentration of O2. Addition of catalase, at the beginning of the exponential growth phase, induced a decrease of the production of the pigment. These results indicate that violacein could be a compound produced to protect the cell from oxidative stress (i. e. , the pigment would be an antioxidant). EPR ( electron paramagnetic resonance) experiments done with the pigment in the solid state showed that the first excited triplet state is 0.71 kcal mol above the singlet ground state. This very low value - for the excited diradical -indicates that the pigment possesses a stable radical form. So, this result is in agreement with our hypothesis that violacein should be a molecule produced to "work" as an antioxidant for the bacterium. At last, electronic absorption and emission studies were performed with violacein. In solution, the pigment presents two fluorescence bands. The normal one is associated to the S1S0 transition and, the anomalous fluorescence, to an exciplex formed between violacein and the solvent.
Arquivo (Texto Completo): vtls000212380.pdf ( tamanho: 4,06MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ