Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 
Autora: Wagner, Rita de Cássia Comis
Título: Degradação do Cabelo Decorrente do Tratamento Contínuo com Lauril Sulfato de Sódio e Silicone
Ano: 2003
Orientadora: Profa. Dra. Inés Joekes
Departamento: Físico-Química
Palavras-chave: Perda protéica, Degradação do cabelo, Surfactante
Resumo: O cabelo é composto basicamente de uma proteína denomidanda a-queratina. É subdividido em 3 ou 4 unidades: cuticula, córtex, complexo da membrana celular e eventualmente, medula. O surfactante presente em formulações de xampus utilizados em cuidados diários é uma possível fonte de degradação das proteínas constituintes do cabelo. Este trabalho tem como propósito quantificar esse efeito. Foram testados 3 tipos de cabelo por fricção ou imersão em água, lauril sulfato de sódio (LSS) e em uma microemulsão de um tipo de aminosilicone (SI) em 3 temperaturas diferentes: 25, 40 e 70°C. A perda protéica foi quantificada pelo método de Lowry. Os resultados dos ensaios de imersão mostraram que o LSS promove uma perda protéica maior do que a água e que diferença entre os dois valores cresce com a temperatura, que aumenta a perda protéica para todas as soluções de tratamento. A perda protéica também é dependente das condições de preservação iniciais da fibra, que perde mais proteinaspsm quando mais danificada. O SI não causou nenhum efeito na perda protéica quando adicionado ao LSS. O cabelo castanho escuro comum apresentou uma perda protéica de até 12,5 mg g quando imerso em LSS 5% a 70°C por 84 h, ao passo que o cabelo castanho escuro padrão perdeu 6,5 mg g, o cabelo loiro padrão perdeu até 10,5 mg g na região das pontas e 8,0 mg g na região da raiz, sob as mesmas condições. As isotermas obtidas a diferentes temperaturas foram utilizadas para estimar a energia de ativação para a perda protéica no cabelo castanho escuro padrão e no cabelo loiro padrão tanto para a região das pontas quanto para a região da raiz. Esses valores são, respectivamente: 69 ± 22; 40 ± 12; 61 ± 4 70 kJ mol para as amostras tratadas em água e 53± 8; 7 ± 5; 32 ± 8 70 kJ mol para as amostras tratadas em LSS 5%. Esses valores concordam com os dados de perda protéica, que mostram que quanto mais degradado o cabelo, menor a energia de ativação de sua perda protéica. A faixa obtida de 7 a 70 kJ mol indica que a perda protéica é controlada principalmente pela difusão. Os parâmetros de cor das amostras tratadas por imersão mostraram pequenas mudanças em relação aos respectivos controles, indicando que a degradação foi suave, neste caso. Os resultados dos ensaios com fricção mostram que a maior parte da perda protéica é ocasionada por esse processo em si (mais de 80%), o que significa que durante o processo de lavagens diárias do cabelo, a fricção é responsável pela maior parte da degradação. Neste caso, SI mostrou a menor perda protéica.
Abstract: Human hair belongs to a protein group known as a-keratin. It contains 3 or 4 different units: cuticle, cortex, cell membrane complex and eventually, medulla. The surfactant content in shampoo formulations used in daily care is a potential source of degradation of human hair proteins. This work aims to quantify this effect. Three types of human hair were tested by fractioning or immersion in water, sodium dodecyl sulfate (SOS) and amonisilicon (SI) solutions, at three temperatures: 25, 40 and 70°C. Protein loss was quantified with the method of Lowry. Results of immersion experiments show that SDS promotes a greater protein loss than water, and this difference grows with temperature, which increases the protein loss for all the treatment solutions. The protein loss is also dependent on the preservation conditions of hair, which loses more protein when damaged. SI had no influence on protein loss when added to SDS solution. Donned virgin brown hair showed a maximum protein loss of 12.5 mg g when immerged in SDS 5% at 70°C for 84 h, while standard brown hair lost 6.5 mg g, standard blond hair 10.5 mg g at the tip-end region and 8.0 mg g at the root-end region, in the same conditions. Isotherms obtained at different temperatures were used to calculate apparent activation energies for protein loss in standard brown hair, standard blond hair tip-end region and the root-end region, which are, respectively: 69 ± 22; 40 ± 12; 61 ± 4 kJ mol for samples treated in water, and 53± 8; 7 ± 5; 32 ± 8 kJ mol for samples treated in SDS 5%. These values agree with the protein loss data, as they show that the more damaged the hair, the lower the activation energy. The range of 7 to 70 kJ mol obtained indicates that the protein loss is controlled mainly by diffusion. Color parameters of immerged samples show small changes relative to the controls, indicating that the degradation was soft, in this case. Results from friction experiments show that the main protein loss (roughly 80 %) arises from friction itself, which means that during the daily shampooing process friction is responsible for the main degradation. In this case, SI showed the smallest protein loss.
Arquivo (Texto Completo): vtls000305334.pdf (tamanho: 4,94MB)

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ