Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 
Autor: Lima, João de
Título: Caracterização e Avaliação do Subproduto da Indústria de Gelatina Solúvel
Ano: 1985
Orientador: Prof. Dr. Jaime Amaya-Farfan
Departamento: Química Orgânica
Palavras-chave: --
Resumo: A finalidade deste trabalho foi avaliar quimicamente o resíduo sólido, subproduto da fabricação de gelatina solúvel, e investigar a possibilidade do seu aproveitamento como ingrediente protético em rações para animais. Este resíduo na forma in naturta apresenta-se com aproxidamente 90% de umidade. Depois de seco a 70-80°C, tanto em estufa elétrica como em destilador solar, e colocado em contato com excesso de água, obtém-se um produto não higroscópico capaz de se reidratar em dez minutos absorvendo até 95% de umidade. Por se apresentar com alto nível de proteína (80%), coparável ao da gelatina comercial (83%), e dos aminoácidos lisina e arginina, essenciais para aves em crescimento, o resíduo pode ser indicado como componente protético na formulação de rações. Talvez por se tratar de subproduto do processamento da indústria alimentícia, o resíduo se apresentou livre de contaminação de nitrito e cromo, tornando-se, neste caso, superior às farinhas de couro e de carnaça, que são normalmente contaminadas por estes íons nos curtumes. O resíduo, depois de seco, foi testado em substituição gradual da farinha de carne. até o máximo de 6%, em rações para frangos de corte. O experimento teve duração de 28 dias, iniciando-se em 16 de março e terminando em 13 de abril de 1984, utilizando-se 192 pintos machos da linhagem comercial Kennebec. Foram coletados periodicamente os dados de peso corporal e consumo de ração. procedendo-se a seguir os respectivos tratamentos estatísticos. O delineamento experimental adotado foi o de blocos ao acaso, utilizando-se oito tratamentos com quatro repetições contendo seis aves por parcela. O resíduo seco apresentou pequenas desvantagens em relação à farinha de carne nas formulações. Todavia, as diferenças não foram significativas nos tratamentos ao nível de 5% de probabilidade. Havendo disponibilidade, podemos recomendar a utilização de 1,84% do resíduo seco corno ingrediente de rações para aves em desenvolvimento. Esse nível corresponde a 67% da farinha de carne suplementar.
Abstract: The objective of this study was to evaluate the chemical composition of the solid by-product. of soluble gelatin manufacture, as well as to investigate the possibility of utilizing such residue as a proteinaceous ingredient in animal feedstuff. When fresh the residue had about 90% moisture. After drying either in an electric oven or in a solar distill at 70 to 80°C, a product was obtained which was not higroscopic but capable of re-hydrating to 95% moisture if placed in water for ten minutes. Due to its high protein content (80%, against 83% of commercial gelatin) and the amino acids lisine and arginine, essencial for growing birds, the residue might be useful in feed formulation. Nitrite and chromium ions, common contaminants of cowhide by-products during tanning, were not found in the residue; most kikely due to the processing of the food-grade gelatin. The dry residue was used in step-wise substitution of meat flour reaching a maximum of 6%, in the formulation of broiler chicken feed. For this experiment, 192 male chicks of the commercial line Kennebec were fed for 28 days between March and April 1984. Feed consumption and body weight data were colected periodically for statistical analysis. The incomplete block experimental design af eight treatments with four replicates of six birds each was followed. Although the residue showed slight disadvantage in relation to meat flour, there was no significant difference between the two ato the 5% probability level. Provided sufficient amounts are available, utilization of 1,84% of the dry residue are recommended for growing chicks. Such leveI corresponds to 67% of the suppIemental meat flour.
Arquivo (Texto Completo): vtls000047910.pdf ( tamanho: 2,70MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ