Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autora: Bisinoti, Márcia Cristina
Título: Biogeoquímica Aquática do Mercúrio Orgânico na Bacia do Rio Negro, Amazônia
Ano: 2005
Orientador: Prof. Dr. Wilson de Figueiredo Jardim
Departamento: Química Analítica
Palavras-chave: Mercúrio orgânico, Matéria orgânica lábil, Oxidantes naturais
Resumo: A dinâmica biogeoquímica do Hgorgânico nas águas da Bacia do Rio Negro foi investigada efetuando-se os seguintes estudos: (i) medidas das concentrações de Hgtotal, Hgreativo e Hgorgânico, em águas naturais, e de Hgtotal, Hgorgânico e metilHg em sedimentos, ambos provenientes de águas brancas e pretas; (ii) avaliação da labilidade e da fotooxidação da matéria orgânica; (iii) fotodegradação do metilHg na superfície das águas e formação do Mercúrio Dissolvido Gasoso (MDG), e (iv) investigação da influência da matéria orgânica lábil na formação de... Hgorgânico a partir de Hg. Os resultados mostraram que a concentração de Hgorgânico nas águas pretas (<0,01 a 1,63 ng L) é maior do que nas águas brancas (<0,01 a 0,41 ng L), sendo este mesmo comportamento observado para as diferentes espécies de mercúrio. Foi proposto um indicador da labilidade da matéria orgânica de ocorrência natural com base na reação envolvendo a cinética de consumo de peróxido de hidrogênio. A cinética de pseudo primeira ordem indica a presença de matéria orgânica lábil, a qual pode agir como agente redutor, estimulando a presença de Hg na coluna d'água. A produção de Hgorgânico em águas pretas e brancas enriquecidas com matéria orgânica lábil foi de 6,3 e 2,9 ng L dia, respectivamente, o qual é duas vezes maior quando comparado aos casos envolvendo a presença de matéria orgânica recalcitrante. Foi constatado que a radiação solar é capaz de degradar 55% do metilHg presente na superfície das águas brancas, sendo um dos produtos o Hg. Já nas águas pretas a fotodegradação do metilHg foi ainda maior (até 80 %), sendo este resultado atribuído à natureza da matéria orgânica e/ou a presença de oxidantes geradores de radicais hidroxilas, como Fe e peróxido de hidrogênio. Os resultados deste trabalho juntamente com outros que têm sido realizados nesta mesma região forneceram subsídios para a elaboração de um modelo representativo do ciclo biogeoquímico do mercúrio na Bacia do Rio Negro-AM.
Abstract: The biogeochemistry of organic mercury in Rio Negro Basin waters was investigated through the following measurements and studies: (i) measurementsof total, reactive and organic mercury present in natural waters, and total, organic and methyl mercury present in sediments, both from black and white waters, (ii) evaluation of the organic matter lability and its photooxidation, (iii) investigation of the photodegradation of methylmercury in surface waters and Dissolved Gaseous Mercury (DGM) formation, and (iv) investigation of the influence of naturally occurring labile organic matter in the production of organic mercury from Hg. Organic mercury concentrations in black waters (from <0.01 to 1.63 ng L) are higher than those found for the white waters (from <0.01 to 0.41 ng L), a pattern that was observed for all mercury species. An indicator for organic matter lability was proposed, based on the reactions involving hydrogen peroxide consumption. First-order kinetics indicated the presence of labile organic matter, which acted as a mercury reducing agent, estimulating DGM production in the water column. Organic mercury production in white and black waters enriched with labile organic matter was 6.3 and 2.9 ng L day, respectively, two times higher than that observed when recalcitrant organic matter was present. Solar radiation was found to degrade 55% of methylmercury present in the surface white waters, to Hg and other products. For black waters, methylmercury photodegradation was higher than in white waters (up to 80%). This behavior was attributed to the nature of the organic matter and/or presence of oxidants in black waters which lead to the formation of hydroxyl radicals, such as Fe and hydrogen peroxide. These results contribute to the elaboration of a representative model of the biogeochemistry cycle of mercury in the Rio Negro Basin-AM.
Arquivo (Texto Completo): vtls000364797.pdf ( tamanho: 1,88 MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
2012-2014 BIQ