Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autora: Magarelli, Gabriella
Título: Fluxos de Mercúrio Gasoso na Interface Solo/Atmosfera na Bacia do Rio Negro Utilizando Câmaras Dinâmicas de Fluxo
Ano: 2006
Orientadora: Profa. Dra. Anne Hélène Fostier
Departamento: Química Analítica
Palavras-chave: Mercúrio, Solo-atmosfera, Amazônia
Resumo: Foi objetivo principal deste trabalho de tese a quantificação dos fluxos de mercúrio gasoso (Hg°) na interface solo-atmosfera na Bacia do rio Negro utilizando câmaras dinâmicas de fluxo. O estudo metodológico realizado permitiu verificar que as câmaras de fluxo foram eficientes para comparar os fluxos dos diferentes sítios. No entanto, a umidade dentro da câmara e a baixa vazão de bombeamento podem ter subestimado os valores dos fluxos. Os fluxos encontrados nas áreas de floresta tanto de terra firme quanto inundável foram baixos, em concordância com dados da literatura. Nas áreas de floresta, os fluxos evasivos diurnos (média de 1,3 ± 1,3 pmol m h) foram equivalentes aos fluxos invasivos noturnos (média de -1,3 ± 1,2 pmol m h) e concluiu-se que os solos de floresta da Bacia não exportam Hg para a atmosfera. O que ocorre é uma ciclagem de cerca de 0,7 t ano de Hg dentro das florestas. A deposição de Hg nos solos das florestas via serapilheira demonstrou ser a via de entrada de Hg mais significativa, cujo valor foi de 26,6 t ano. As áreas desmatadas da Bacia do Rio Negro apresentaram valores de fluxos de Hg na interface solo/atmosfera bem maiores que as áreas de floresta (média de 12,3 ± 9,9 pmol m h). Isto levou à importante conclusão que a ausência de vegetação aumenta significativamente os fluxos de emissão, tanto em áreas de terra firme quanto em áreas inundáveis. Na bacia do rio Negro, considerando 1% de desmatamento, a massa de Hg exportada para a atmosfera pelos solos desmatados seria de 0,13 t ano. Além da importância de se estimar os fluxos de Hg° na interface solo/atmosfera para o estudo do ciclo biogeoquímico do Hg na Bacia do rio Negro, o entendimento dos fatores que influenciam estes fluxos é de extrema importância. Dentre os fatores ambientais estudados, os que apresentaram uma correlação mais efetiva com os fluxos foram: a temperatura do solo, radiação solar e o teor de matéria orgânica no solo.
Abstract: The aim of this thesis was to quantify the soil/air exchange of mercury in the Negro River Basin by using a Dynamic Flux Chamber. The methodological study showed that the flux chamber was efficient to compare the Hg fluxes in the different sites. However, the humidity inside the chamber and the low flushing flow rate could have subestimated the Hg fluxes. Hg fluxes found at the flooding forest and at the non-flooding forest were low but they are in agreement with literature reports. At the forest sites, the evasive diurnal Hg fluxes (mean of 1.3 ± 1.3 pmol m h) were equivalent to the nocturnal fluxes (mean of -1.3 ± 1.2 pmol m h), concluding that the forest soils of the Negro River Basin do not export Hg to the atmosphere. What occurs is a Hg cycling of about 0.7 t y inside the forest. The deposition of Hg to the forests soils from litterfall showed to be the most significative Hg input to the forest, whose value was 26.6 t y. The deforested sites of the Negro River Basin presented Hg fluxes in the soil/air exchange higher than the forest sites (12.3 ± 9.9 pmol m h). This led to an important conclusion that the absence of vegetal covering significantly enhances Hg soil emissions, both in areas of flooding and in nonflooding soils. At the Negro River Basin, considering 1% of desforestation, the Hg mass exported to the atmosphere from the deforested soils would be 0.13 t ano. Besides the importance to estimating the Hg° fluxes at the air/soil interface for a Hg biogeochemistry study of the Negro River Basin, the understanding of the factors that could affect these Hg fuxes is very important. Among the environmental paramethers studied, the soil temperature, the solar radiation and the soil organic matter were the paramethers which showed the highest correlations with the Hg fluxes.
Arquivo (Texto Completo): vtls000380299.pdf ( tamanho: 1,20MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ