Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 
Autora: Domingues, Raquel Aparecida
Título: Fotofísica e Relaxações em Siliconas
Ano: 2008
Orientadora: Profa. Dra. Teresa Dib Zambon Atvars
Coorientadora: Profa. Dra. Inez Valéria Pagotto Yoshida
Departamento: Físico-Química
Palavras-chave: Silicona, Propriedades fotofísicas, Fluorescência, Relaxação
Resumo: O objetivo deste trabalho foi o estudo de processos de relaxações em redes poliméricas obtidas a partir de poli(dimetilsiloxano-co-metilhidrogêniosiloxano) dimetilsililhidrogênio terminal (PDHS) e o poli(dimetilsiloxano-co-metilvinilsiloxano) dimetilvinil terminal (PDVS) por reação de hidrossililação, utilizando-se a espectroscopia de fluorescência em uma ampla faixa de temperaturas (de 20 a 400 K). Estes processos de relaxações foram comparados com outros métodos de análises térmicas como calorimetria diferencial de varredura (DSC) e análise dinâmico mecânica (DMA). A temperatura de transição vítrea foi mais facilmente visualizada pela técnica de fluorescência que por DSC e foi compatível com o resultado obtido por DMA. Os filmes de silicona também foram caracterizados por espectro infravermelho (FTIR) e termogravimetria (TGA). Como as siliconas não são intrinsicamente fluorescentes, duas estratégias foram utilizadas para a inserção da sonda no filme: a primeira envolveu dispersão física de uma molécula fluorescente nas redes poliméricas, e na segunda foi incorporado um grupo fluorescente na cadeia lateral da silicona concomitantemente à obtenção das redes poliméricas também por reação de hidrossililação. Nesse último caso, o grupo fluorescente foi covalentemente ligado à cadeia polimérica. Os estudos do sinal de fluorescência em função da temperatura foram analisados utilizando-se modelos cinéticos para a desativação não-radiativa das moléculas fluorescentes. Incorporou-se também as sondas fluorescente (9-vinil antraceno e 9-vinil carbazol) na cadeia do PDHS linear por reação de hidrossililação, sem a presença do PDVS, para que fosse possível a obtenção de um fluído de silicona fluorescente. Neste caso, utilizou-se a relação 1:1 em termos de Si-H (grupo reativo do PDHS) e CH2=CH2 (grupo reativo do material fluorescente) para que o novo material pudesse ser caracterizado por RMN e FTIR, e a proporção de 1:1x10 de Si-H:CH2=CH2 para que o material fluido pudesse ser caracterizado por espectroscopia de fluorescência.
Abstract: The aim of this research work was the study of relaxation processes in siloxane polymeric network obtained from poli(dimethylsiloxane-co-methylhidrogensiloxane) dimethylsilihidrogen terminal (PDHS) and poli(dimethylsiloxane-co-methylvinylsiloxane) dimethylvinyl terminal (PDVS) by hydrosilylation reaction, using fluorescence spectroscopy in a range of temperature from 20 to 400 K. The results of these relaxation processes were compared with those of thermal analysis methods as the differential scanning calorimetry (DSC) and dynamic mechanical analysis (DMA). The glass transition temperature was easier demonstrated using fluorescence spectroscopy than using DSC and compatible with the result obtained from DMA. The siloxane films were characterized using also infrared spectroscopy and thermogravimetry (TGA). The silicones are not intrinsically fluorescent, so two strategies were used to insert a fluorescent probe in the siloxane film: the first involved a physical dispersion of fluorescent probe in the network, and in the second were incorporated fluorescent groups in the lateral chain of siloxane, concurrently the web formation, by hidrosilylation reaction too. In this last case, fluorescent probe was covalently bonded to polymeric chain. The fluorescence in function of the temperature signal studies was analyzed using a non radioactive deactivation of fluorescents molecules kinetic model. PDHS was reacted with vinyl fluorescents probes without PDVS, to be possible to obtain a fluorescent fluid of siloxane. In this case, was used the relation of 1:1 in terms of Si-H (PDHS reactive group) and CH2=CH2 (fluorescent material reactive groups) to be possible characterize the new material using RMN and FTIR, and the proportion of 1:1x10 of Si-H:CH2=CH2 to be possible characterize using fluorescence spectroscopy.
Arquivo (Texto Completo): vtls000439918.pdf ( tamanho: 1,52MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
2012-2014 BIQ