Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
 
Autora: Santos, Elvira Aparecida Sanches Bizarro dos
Título: Caracterização da Glicerina Etoxilada Fosfatada
Ano: 2007
Orientador: Prof. Dr. Fernando Galembeck
Departamento: Físico-Química
Palavras-chave: Glicerina etoxilada fosfatada, Fosfato de glicerina etoxilada, Poli(oxietileno) fosfato
Resumo: O uso de alquilosfatos é bastante conhecido como emulsionantes em cosméticos. Assim como os alquilfosfatos , os compostos fosf atados derivados de surfactantes não iônicos também são bastante utilizados. Especialmente no setor cosmético, os alquilfosfatados são largamente utilizados devido sua característica de suavidade à pele e aos cabelos. O trabalho teve por objetivo a obtenção e caracterização da glicerina etoxilada fosfatada. Durante a etapa de obtenção optou- se por utilizar dois agentes fosf atantes largamente utilizados na obtenção de alquilfosfatos: pentóxido de fósforo e ácido polifosfórico. Na etapa de caracterização, utilizou- se técnicas de espect roscopia de infravermelho e de emissão atômica, cromatografia de troca iônica, espect roscopia de ressonância magnética nuclear , espectrometria de massas e potenciometria. Foi possível determinar o rendimento da fosfatação, assim como identificar a presença de monoéster e ácido fosfórico em todas as amostras geradas . Diferente do que foi encontrado na literatura consultada, verificou-se que para glicerina etoxilada fosfatada, não existe a formação de quantidades equimolares de monoés ter e diés ter quando ut i l i zado o pentóxido de fósforo como agente fosfatante, e que o ácido polifosfórico leva a um maior rendimento da fosfatação quando utilizada a relação molar 1:1, glicerina etoxilada: PPA. Durante a caracterização foi avaliado o comportamento das amostras em solução aquosa em diferentes valores de pH, e concluiu- se que a glicerina etoxi lada fosfatada não é um composto surfactante, pois não é capaz de reduzir a tensão superficial da água abaixo de 45mN/m quando solubi l i zada a 0,50% (m/m) , o que justifica sua incapacidade de f ormar espuma. O t rabalho sugere algumas aplicações para glicerina etoxi lada fosfatada com base nas informações encontradas na literatura para álcoois graxos etoxilados fosf atados.
Abstract: The use of al kylphosphate is widely known as emulsifier in cosmetics. As alkylphosphates , the phosphated compounds derived from non-ionic surfactants are widely used in skin care products. Especially in cosmetic area, the alkylphosphates are used because their softness to skin and hair. The main goal of this work was the phosphorylation and characterization of glycer in ethoxylated phosphate. During the phosphorylation' s step two phosphorylating agents were chosen, those are commonly used in alkylphosphate process: phosphorus pentoxide and polyphosphoric acid (PPA). Throughout characterization's step infrared spectroscopy, atomic emission spectroscopy, exchange ion chromatography, nuclear magnetic resonance, mass spectroscopy and potentiometric titration were used. It was possible to determine the grade of process conversion as to identify the presence of monoester in all obtained samples. The result found in the phosphorylation process was different from those in the literature, because a ratio equimolar between monoester and diester was not found when phosphorus pentoxide was used as phosphorylating agent, and the use of polyphosphoric acid leads to a higher grade of conversion when the relation 1:1 for glycer in: PPA is used. During the characterization, the phosphated samples in water solution's behavior was evaluated in many values of pH, and it was possible to conclude that the glycerin poly(ethyleneoxi ) phosphate is not a surfactant, because it is unable to reduce the superficial tension of water under 45mN/m when solubilized at 0,50% (m/m), what can justify its inability to form foam. The work suggest s some applications to the glycerin poly(ethyleneoxi) phosphate according the informat ion that was found in the literature.
Arquivo (Texto Completo): vtls000441131 (tamanho: 2,39 MB)

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
© 2012-2014 BIQ