Comissão
Estatuto
Histórico
Localização
Contato
BIQ
BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE QUÍMICA
UNICAMP

 
TESE DE DOUTORADO
 
Autora: Marques, Sandra Regina Rivellino
Título: Microextração em Fase Sólida e Cromatografia Gasosa Convencional e Bidimensional para Classificação de Méis
Ano: 2011
Orientador: Prof. Dr. Fabio Augusto
Departamento: Química Analítica
Palavras-chave: Cromatografia gasosa, Mel, Microextração em fase sólida, Cromatografia compreensiva
Resumo: A técnica de microextração em fase sólida através do headspace (HS-SPME) combinada com a cromatografia gasosa bidimensional abrangente e detecção por ionização em chama (GCxGCxFID) foi empregada para detectar artefatos formados durante o preparo da amostra de méis, que poderiam ser prejudiciais ao processo de identificação de sua origem floral. O método foi otimizado utilizando-se planejamento multivariado. Para isso, uma mistura de diferentes tipos de méis brasileiros foi usada como modelo. Os artefatos de extração identificados foram classificados como resultantes da manipulação através do HS. A influência da temperatura e do tempo de exposição ao tratamento térmico também foi avaliada. A identificação da fração volátil da mistura de mel foi realizada por GCxGCxFID e cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas com analisador quadrupolar (GC-QMS) comparando-se o índice de retenção linear com programação de temperatura obtido na primeira dimensão (D-LTPRI), calculado a partir dos cromatogramas obtidos por GCxGCxFID, e os índices obtidos por GC-QMS para as mesmas amostras. Esta identificação foi confirmada por cromatografia gasosa bidimensional abrangente combinada a um espectrômetro de massas por tempo de vôo (GCxGCxTOFMS). Portanto, a identificação e detecção de artefatos de extração previamente desconhecidos é atribuída às vantagens da GCxGC. A GCxGCxFID combinada com ferramentas quimiométricas foi empregada para classificar algumas amostras de méis de diferentes origens do Piauí-Brasil. A GCxGCxQMS foi empregada para identificação dos voláteis de algumas destas amostras. A combinação de HS-SPME - (GCxGC ou GC) com o poder de identificação do detector MS, juntamente com índices de retenção e de métodos quimiométricos forneceram informações valiosas sobre a classificação química dos méis.
Abstract: Solid phase microextraction through headspace (HS-SPME) was otimizated by a multivariate design. This technique combined with comprehensive two-dimensional gas chromatography with flame ionization detection (GCxGC-FID) was employed to detect potential artifacts formed during preparation of honey samples, that could possibly be relevant to the identification of its floral origin. A mixture of different types of brazilian honeys was used as the model sample. The extraction artifacts identified were classified as resulting from HS manipulation. The influence of temperature and time exposure of the thermal treatment was also evaluated. The identification of the volatile fraction of the honey blend was performed through combination of GCxGC-FID and GC coupled to quadrupole mass spectrometry (GC-QMS) by comparing the one dimensional linear temperature programmed retention index (D-LTPRI) calculated from GCxGCxFID chromatograms to that of chromatograms of the same samples obtained on GC-QMS. This identification was confirmed by GCxGC combined with a time-of-flight mass analyzer (GCxGC-TOFMS). Therefore, the identification and detection of previously unknown extraction artifacts is attributed to advantages of GCxGC. GCxGCxFID in combination with chemometric tools was employed to classify some honey samples from different origins from Piauí-Brazil. GCxGCxQMS was employed for the identification of the volatiles from some one of these samples. The combination of HS-SPME - (GCxGC or GC) and the qualitative information of MS, retention index and chemometric methods may be able to provide valuable information on the chemical classification of honeys.
Arquivo (Texto Completo): 000846053.pdf ( tamanho: 2,20MB )

Instituto de Química / Caixa Postal n° 6154
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083 - 970, Campinas, SP, Brasil
e-mail: biq@iqm.unicamp.br
2012-2014 BIQ